Clipe de música vegana impactante sobre os animais e as “tradições” – o mundo precisar ver esse vídeo da artista vegana Eline Bélier

O clipe da música “Em nome da tradição” acaba de ser lançado pela musicista e compositora vegana Eline Bélier. Trata-se de um vídeo ímpar, impactante a respeito do direito dos animais e veganismo. O clipe se desenvolve em forma de animação de muita qualidade criada por Leandro Franco, nela o clipe mostra o que as pessoas não sabem sobre a exploração e abuso animal. Sem dúvida um clipe marcante para a causa e ainda conta uma música que toca na alma os amantes dos animais

Acreditamos que esse tipo de arte deve despertar as pessoas para o veganismo, agrademos esses artistas veganos que mesmo sem apoio fazem de tudo para ser uma voz pelos animais, lutando diariamente para que os não veganos tenham compaixão por todos os animais. Parabéns Eline Bélier pela iniciativa. Ajude essa artista vegana, curta a Page, inscreva-se no youtube e ouça outras músicas no soundcloud.

Veja abaixo clipe e letra da música completa da artista Eline Bélier:

https://youtu.be/R8lO4WowicM

Em nome da tradição

(Música  Eline Bélier)

Eu tô comendo templos de almas

Corpos de bichos e seus rebotalhos

Subjugando corpos e mentes

Em nome da tradição

 

Tourada, rodeio, inseminação

Confinamento, cruel tratamento

Bala na testa, destino sanguinolento

Em nome da tradição

 

Churrasco, tender, cinto de couro

Sapato, batom, flecha no lombo do touro

Lâmina no bico, sedém na genitália

Eu monto, espeto, humilho, destroço

É o laço, é o anzol, é o fim do caminho

 

Exploro, sugo, mamo, bato e abato

Chicote queimando, não devo respeito

Trituro, mutilo, usina do medo

Eu aniquilo a bondade de tudo

Passarinho na mão é o fundo do poço

 

Meu ego maior que o tamanho do mundo

Eu escravizo, mato e deixo morrer (Live and let die!)

Agulha no olho, pele arrancada. Testando!

Aval da ciência pra inconsciência

É a morte, é a morte, é o fim da picada

 

Churrasco, tender, cinto ide couro

Sapato, xampu, flecha no lombo do touro

Patê da desgraça, circo de horrores sem graça

Eu monto, espeto, humilho, destroço

É o laço é o anzol, é o fundo do poço

 

Não penso ou reflito, apenas repito (repito)

Humano insensível, irracional

Um energúmeno, nojento e boçal

Em nome da tradição

(Quem é o animal… irracional? Ahimsa, irmão! Não violência! Amor aos

Animais! Amor aos humanos! Amor ao planeta! Amor à vida! Ahimsa…)