Nova Espécie de Carrapato Torna Pessoas Alérgicas à Carne

O Estrela Solitária [Foto: Flickr/Joshua Allen]

Sim, parece uma história digna de cinema: uma pessoa leva uma picada de carrapato, e, pouco depois, se torna alérgica à carne. Mas a situação é real e essa síndrome continua a se espalhar desde 2014 nos EUA, especialmente durante os meses mais quentes do ano. A molécula de açúcar Alpha-Gal é capaz de reprogramar o nosso sistema imunológico e torná-lo intolerante à carne. O modo de transmissão? O mencionado carrapato, carinhosamente apelidado de Estrela Solitária (Amblyomma americanum), devido à presença de uma marca em forma estrela em suas costas. Ao compará-la a outras espécies de carrapatos, mais comumente presentes em cães e ovelhas, essa nova espécie possui características um tanto alarmantes: maior agressividade e sensores que podem identificar locais com movimento, permitindo que viagem certas distâncias para chegar a um destino específico.

A maioria das pessoas percebe sua recém-adquirida alergia ao comer um pedaço de carne após a contaminação, já que ela está repleta da molécula Alpha-Gal. Para que a alergia seja transmitida, o carrapato precisa ter se alimentado de um mamífero com esse carboidrato. No entanto, como a Alpha-Gal precisa passar pelo trato intestinal para ser liberada, o indivíduo infectado demora horas para começar a sentir os efeitos da alergia, que inclui urticária, falta de ar, vômitos e diarreia. Os efeitos são tão fortes, que podem até mesmo levar à morte. Infelizmente, a reação tardia torna mais difícil identificar a causa da alergia.

Não é de surpreender que a contínua exposição a esses carrapatos possa piorar a intensidade das reações alérgicas. Apesar de já existir um tratamento para controlá-las, ainda não há vacina ou cura para a síndrome. Ainda há muitas perguntas a serem respondidas em relação a essa nova e misteriosa condição.

Por Julia P. Dünner, criadora do blog Vida Consciente

Fontes: 

Super Interessante
CBS News
National Geographic