Vida em liberdade – Brasil abrigará primeiro santuário de elefantes da América Latina

Quem não ama elefantes? Quando crianças, nós nos apaixonamos por eles, mas, muitas vezes, nós somos estimulados a maltratá-los, indo a circos e zoológicos com nossos pais ou professores. Nós nem imaginamos o sofrimento que lhes estamos impondo. Muitos nascem em cativeiro e alguns são sequestrados de suas mães e transportados em péssimas condições, só para agradar nosso olhar.img_elefantes_01

Junia Machado percebeu o que estava acontecendo e se uniu à organização ElephantVoices, uma organização que tem por missão ajudar elefantes sob maus-tratos. Foi então que ela resolveu criar um santuário para abrigar elefantes vítimas de maus-tratos, no Brasil, juntamente com o fundador da GSE, outra organização em prol dos animais.

O santuário ficará localizado na Chapada dos Guimarães e possui mais de 1.100 hectares. A terra era um antigo terreno para criação de gado. O santuário abrirá em setembro deste ano e não estará aberto à visitação, por razões óbvias, já que a ideia é ajudar a dar uma vida digna aos animais e não entreter humanos.img_elefantes_02

Maia e Guida serão as primeiras moradoras do local. Elas foram escravizadas em circos por mais de 40 anos e, finalmente, poderão usufruir de sua liberdade. Atualmente, elas vivem em um sítio. Ramba é outro elefante que vem do Chile. Ele foi escravizado em um circo e depois foi realocado em um zoológico. Ele será trazido para o santuário, quando as duas elefantas se adaptarem.

Outros elefantes provindos de circos também chegarão ao santuário. Após a proibição do uso de animais em circos em diversos estados do Brasil, grande parte destes animais se juntarão ao santuário.[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=jRx3CBdDE3o[/embedyt]

Espécie exótica?

Elefantes são nativos da África e Ásia e por isso, professores da Unesp já estão estudando o local do santuário para evitar problemas com as espécies nativas do local. De fato, espera-se que os elefantes ajudem o ecossistema, dispersando sementes com suas fezes. A ideia é manter uma equipe disposta a monitorar o local, para que todas as espécies vivam em harmonia e nenhuma seja prejudicada.

Ajuda

A associação vive de doações e precisa de dinheiro para transportar os elefantes brasileiros e de outros países da América do Sul para o santuário. Se você quiser ajudar, você pode doar aqui, na campanha de Crowdfunding da equipe.

Os elefantes agradecem!

Ajude nessa Campanhade agora mesmo